Esse Bloco É Meu: Noções De Pertencimento E Apropriação Nos Blocos Carnavalescos Da Cidade Do Rio De Janeiro

Tiago Luiz dos Santos Ribeiro, Felipe Ferreira

Resumo


A partir da criação das agremiações carnavalescas Cordão do Boi Tolo, Bijou da Baía e Saymos do Egyto – originadas do cancelamento/adiamento dos cortejos do Cordão do Boitatá, Pérola da Guanabara e Viemos do Egyto, respectivamente – este artigo visa estudar os blocos de carnaval do Rio de Janeiro por meio das noções de pertencimento e apropriação, diante das relações estabelecidas com seus foliões, levando em conta a relevância das suas redes sociais, o caráter descentralizado das agremiações e as diferentes estratégias dos atores envolvidos, visando identificar as estruturas normativas destas entidades constantemente apontadas como anárquicas.


Texto completo:

PDF

Referências


Atrações da temporada carnavalescas. O Globo, Rio de Janeiro, Jornais de Bairro, p. 7, 14 fev. 2006.

AUGÉ, Marc. Por uma antropologia da mobilidade. Maceió: EDUFAL: UNESP, 2010.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch; VIEIRA, Yara Frateschi. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1987.

BARROS, Maria Teresa Guilhon Macieira de. Blocos: vozes e percursos da reestruturação do carnaval de rua do Rio de Janeiro. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2013.

BARROSO, Flávia Magalhães, GONÇALVES, Juliana. Subversão e purpurina: um estudo sobre o carnaval de rua não-oficial do Rio de Janeiro. Intercom, XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo, set 2016.

Boitatá deixa de desfilar, Boi Tolo surge no lugar. O Globo, Rio de Janeiro, p. 6, 27 fev. 2006.

BOSCHI, Marcelo Rosa. O carnaval como fenômeno de atração e retenção de turistas na cidade do Rio de Janeiro: um olhar sobre grupos distintos de foliões de blocos da Zona Sul da cidade. Dissertação (Mestrado executivo em gestão empresarial) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2007.

CANCLÍNI, Néstor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2008.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

FERREIRA, Felipe. Escritos carnavalescos. Rio de Janeiro: Editora Aeroplano, 2012.

______. Inventando carnavais: o surgimento do carnaval carioca no século XIX e outras questões carnavalescas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

MATTA, Roberto da. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro, Rocco, 1979.

PORCIDONIO, Gilberto. Quando brincar o carnaval a toda hora vira um vício. O Globo, Rio de Janeiro, p. 15, 13 jan. 2019.

RIOTUR. Agenda dos blocos de rua do Rio de Janeiro de 2018. Rio de Janeiro, 2018.

______. Agenda dos blocos de rua do Rio de Janeiro de 2019. Rio de Janeiro, 2019.

ROMEO, Madalena. Os altos e baixos do superlativo carnaval de rua. O Globo, Rio de Janeiro, p. 18, 7, mar. 2019.

SCHECHNER, Richard. The future of the ritual. In: LIGIÉRO, Zeca (Org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

TURNER, Victor W. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.




DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v13i1.989

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.