Do Maranhão à Bahia: cartografar e representar a urbanização dos sertões das capitanias do norte

Esdras Araujo Arraes

Resumo


Os sertões do Norte têm sido interpretados usualmente como espaços vazios e inertes em termos socioeconômicos. Na contramão dessa premissa, este artigo pretende expor sertões formados por territórios devidamente urbanizados segundo as políticas da Coroa portuguesa ou por meio de complexas relações sociais formuladas entre os moradores e os representantes do rei no território. Põe-se luz no entrecruzamento da documentação manuscrita e cartográfica a fim de analisar as narrativas de ocupação e da urbanização dessas áreas interiorizadas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v10i2.685

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.