Economia e Sociedade no Sertão Nordestino em O Sertanejo, de José de Alencar

Julio Manuel Pires, Márcio Bobik Braga

Resumo


O objetivo aqui consiste em mostrar que O Sertanejo descreve estruturas econômicas, políticas e sociais do sertão nordestino do final dos séculos XVIII e XIX, colocando-o na condição de fonte primária. Esta hipótese é defendida a partir da comparação de determinados relatos encontrados ao longo do texto e aquelas consideradas pela historiografia: a estrutura de produção e comercialização, os conflitos pela posse da terra, a estrutura de poder e a existência de escravidão em uma atividade periférica, isto é, complementar à economia açucareira.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v10i1.586

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.