SUBJETIVIDADES DE GÊNERO SOB O FOCO DA CENSURA NA OBRA LITERÁRIA DE ADELAIDE CARRARO (1963-1992)

Adriana Fraga Vieira, Janine Gomes da Silva

Resumo


RESUMO: Adelaide Carraro (1929-1992) foi uma escritora brasileira de intensa produção literária, tornando-se conhecida do grande público entre 1963 e 1985. A receptividade do público se relaciona com o estilo de sua escritura, mas também com a abordagem de temas fortes e polêmicos para a época. Este artigo apresenta as relações de gênero oferecidas pela escritora em seus romances e autobiografias, discute as razões da censura sobre ela e as subjetividades que ela construiu em relação a experiência de ser censurada.

Palavra-chaves: Adelaide Carraro, gênero, literatura

Texto completo:

PDF

Referências


ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BRASIL. Presidência da República. Decreto-lei nº 1.077, de 26 de janeiro de 1970. Dispõe sobre a execução do artigo 153, § 8º, parte final, da Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jan. 1970.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar.

CALDAS, Waldenyr. A literatura da cultura de massa: uma análise sociológica. São Paulo: Musa Editora, 2001.

CARRARO, Adelaide. Eu e o governador. São Paulo: L. Oren, 1963.

CARRARO, Adelaide. Eu mataria o presidente. São Paulo: L. Oren, 1966.

CARRARO, Adelaide. Carniça. São Paulo: L. Oren, 1972.

CARRARO, Adelaide. O castrado: o homem que fazia seu corpo um “comércio sexual”. São Paulo: Global Editora, 1975.

CARRARO, Adelaide. Mãe solteira. São Paulo: Global, 1976. (Coleção Gama).

CARRARO, Adelaide. Folha de S. Paulo, 13 jun. 1977.

CARRARO, Adelaide. Patética entrevista com Adelaide Carraro: a escritora mais controvertida do Brasil. [Entrevista cedida a] Jaguar, Ziraldo e Iza Freaza. Revista O Pasquim, Rio de Janeiro, n. 427, ano IX, 8 set. 1977.

CARRARO, Adelaide. A adúltera: “Por que traí meu marido?”. 4. ed. São Paulo: L. Oren, 1978.

CARRARO, Adelaide. Mulher livre. 3. ed. São Paulo: L. Oren, 1979.

CARRARO, Adelaide. Adelaide Carraro na intimidade. Revista Status, [S. l.], n. 73, ago. 1980.

CARRARO, Adelaide. Em foco: Adelaide Carraro. [Entrevista cedida a] Walterson Sardenberg Sobrinho. Revista Manchete, Rio de Janeiro, n. 1.487, ano 29, 18 out. 1980.

CARRARO, Adelaide. O caipira supermacho. São Paulo: Global Editora, 1980. (Coleção Gama).

CARRARO, Adelaide. A amante do deputado. 2. ed. São Paulo: L. Oren, 1980.

CARRARO, Adelaide. A viúva. São Paulo: Global Editora, 1981. (Coleção Gama).

CARRARO, Adelaide. A marca do adultério. São Paulo: Global Editora, 1982. (Coleção Gama).

CARRARO, Adelaide. Meu professor, meu herói. São Paulo: L. Oren, 1982.

CARRARO, Adelaide. Estudante I: estória verdade de uma geração em conflito consigo mesmo. São Paulo: L. Oren, 1982.

CARRARO, Adelaide. Estudante II: mamãe querida. São Paulo: L. Oren, 1988.

CARRARO, Adelaide. O passado ainda dói. São Paulo: L. Oren, 1988.

CARRARO, Adelaide. Estudante III: por um Brasil sem racismo. São Paulo: L. Oren, 1991.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Armadilhas da sedução: os romances de Madame Delly. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

FARGE, Arlette. Lugares para a história. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, (Coleção História e Historiografia).

FICO, Carlos. “‘Prezada censura’: cartas ao regime militar”. Topoi: Revista de História, Rio de Janeiro, UFRJ, n. 5, p. 251-286, 2002.

FICO, Carlos. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2004.

GREENBLATT, Stephen. O novo historicismo: ressonância e encantamento. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 4, nº 8, 1991, p. 250.

LONDERO, Rodolfo Lorato. Intelectuais envergonhados: censura de romances populares pornográficos e luta de classes durante o regime civil-militar brasileiro (1964-1985). Revista Eletrônica Literatura e Autoritarismo. (UFSM), v. 1, n. 21, p. 134-149, 2013.

MARCELINO, Douglas Átila. Subversivos e pornográficos: censura de livros e diversões públicas nos anos 1970. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2011.

MORRE a escritora Adelaide Carraro. O Estado, 7 jan. 1992, p. 2.

Parecer nº 262/1976, de Arésio Teixeira Peixoto, 10/05/1976, PUB. Acervo do Arquivo Nacional (Brasília). Fundo Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP).

Parecer nº 679/1976, de Domingos S. Pereira, 23/11/1976, PUB. Acervo do Arquivo Nacional (Brasília). Fundo Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP).

PEDRO, Joana Maria, GROSSI, Miriam Pilar. Masculino, Feminino, Plural. Gênero na interdisciplinaridade. Florianópolis-SC, Editora das Mulheres, 1998.

OTERO, Maria Mercedes D. F. Censura de livros durante a ditadura militar: 1964-1978. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2003.

REIMÃO, Sandra. “Proíbo a publicação e circulação…”: censura a livros na ditadura militar. Revista Estudos Avançados, São Paulo, vol.28. nº. 80. P. 75-90, jan./abr. 2014.

RIAUDEL, Michel. Malditos vs marginais? Teresa: Revista de Literatura Brasileira, São Paulo, n.15, 2015.

ROLNIK, Suely. Uma insólita viagem à subjetividade: fronteiras com a ética e a cultura. In: LINS, D. (Org.). Cultura e subjetividade: saberes nômades. São Paulo: Papirus, 1997. p. 25-34.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2006.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SCOTT, Joan Wallach. Experiência. In: SILVA, Alcione L. da.; LAGO, Mara de S.; RAMOS, Tânia R. O. Falas de gênero: teorias, análises, leituras. Florianópolis: Ed. Mulheres, p. 21-55, 1999.

SOARES, Glaucio Ary Dillon. A censura durante o regime autoritário. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 4, n.10, p. 21-43, jun. 1989.

SOUZA, Denise Dias de Carvalho. O saber e o sabor da literatura cor-de-rosa: a leitura dos romances das séries Sabrina, Julia e Bianca. Tese (Doutorado em Teorias da Literatura) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) em convênio com a Universidade do Estado da Bahia (UNEB) através do Programa de Doutorado Interinstitucional (Dinter). Porto Alegre, 2014.

VIEIRA, Pedro de Castro Amaral. Meninas más, mulheres nuas: Adelaide Carraro e Cassandra Rios no panorama literário brasileiro. Tese (Doutorado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Tradução de Bia Nunes de Souza e Glauco Mattoso. São Paulo: Tordesilhas, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v14i1.1132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.