Migrantes, identidade e racismo: uma discussão a partir de discursos para incentivar a migração para os “vazios demográficos” da Amazônia Legal Brasileira

Natália Araújo de Oliveira

Resumo


O artigo analisa o teor “raça” e identidade dos discursos propagados para a ocupação da Amazônia Legal Brasileira, com foco na cidade de Nova Xavantina (Mato Grosso). Como resultado, mostrou que migrantes foram alçados a heróis nacionais no projeto nacionalista Marcha para o Oeste; as raízes “raciais” dos gaúchos foram usadas para incentivar suas migrações ao Mato Grosso durante a ditadura e que os indígenas ora foram escolhidos como modelo de indígena ora foram vistos como obstáculos ao desenvolvimento nacional.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto n° 59.428 de 27 de outubro de 1966. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/antigos/d59428.htm. Acesso em: 28 jun. 2016.

______. Decreto n° 3.059 de 14 de fevereiro de 1941. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-3059-14-fevereiro-1941-413001-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 02 abr. 2020.

CANCELLI, Elizabeth. Estratégia para o flagelo. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1984.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. A sociologia do Brasil indígena. Rio de Janeiro; São Paulo: Tempo Brasileiro; Edusp, 1972.

______. Identidade, etnia e estrutura social. São Paulo: Pioneira, 1976.

CASTRO, Sueli. Pereira. et. al. A colonização oficial em Mato Grosso: “a nata e a borra da sociedade”. 2 ed. Cuiabá: UFMT, 2002.

COELHO, George Leonardo Seabra. Cassiano Ricardo: Marcha para Oeste e Martim Cererê um projeto de Estado Autoritário. In: II SEMINÁRIO DE PESQUISA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA, 2009, Goiânia. Anais eletrônicos [...]. Disponível em: http://pos-historia.historia.ufg.br/uploads/113/original_IISPHist09_GeorgeLeonaCoelho.pdf. Acesso em: 02 nov. 2011.

DAVIS, Shelton. Victims of the miracle: development and the Indians of the Brazil. Nova York: Cambridge University, 1977.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

ESTERCI, Neide. O mito da democracia no país das Bandeiras. Pesquisa antropológica, Rio de Janeiro, n. 18, 1977.

FERNANDES, Estevão Rafael. Entre cosmologias, estratégias e performances: incursões Xavante à Funai. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília. Brasília, 2005.

FERNÁNDEZ, Antônio João Castrillon. Do Cerrado à Amazônia: as estruturas sociais da economia da soja em Mato Grosso. Tese (Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007.

FRANÇA, Maria Stela. Campos de. Xavantes, Pioneiros e Gaúchos: relatos heroicos de uma história de exclusão em Nova Xavantina. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília. Brasília, 2000.

FREDRICKSON, George Racism: a short history. Princeton: Princeton University Press, 2002.

FRENCH, Jan Hoffman. Legalizing identities: becoming black or Indian in Brazil’s Northeast. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2009.

GALVÃO, Maria Eduarda Capanema Guerra. A Marcha para o Oeste na experiência da Expedição Roncador-Xingú. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 26, 2011, São Paulo. Anais eletrônicos […] São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/site/anaiscomplementares#M. Acesso em: 30/08/2012.

GASKELL, George. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, Martin; GASKELL,

George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis:

Vozes, 2008, p. 64-89.

GARFIELD, Seth. As raízes de uma planta que hoje é o Brasil: os índios e o Estado-Nação na era Vargas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 20, n. 39, p. 13-42, 2000.

______. A luta indígena no coração do Brasil: política indigenista, a Marcha para Oeste e os índios Xavante (1937-1988). São Paulo: UNESP. 2011.

GIACCARIA, Bartolomeu. Xavante ano 2000: reflexões pedagógicas e antropológicas. Campo Grande: ECDB, 2000.

GOMES, Ângela de Castro. Ideologia e trabalho no Estado Novo. In: PANDOLFI, Dulce Chaves (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: editora FGV, 1999, p. 53- 72.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. Vira mundo, vira mundo: trajetórias nômades. As cidades na Amazônia. Revista Projeto História, São Paulo, v. 27, p. 49-69, 2003.

IANNI, Octávio. Colonização e contra-reforma agrária. Petrópolis: Vozes, 1979.

JENKINS, Richard. Rethinking ethnicity: arguments and explorations. London: Sage, 1997.

LENHARO, Alcir. Colonização e trabalho no Brasil: Amazônia, Nordeste e Centro Oeste: os anos 30. 2 ed. Campinas: ed. UNICAMP, 1986.

MAYBURY-LEWIS, Davis. A sociedade Xavante. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1974.

______. O selvagem e o inocente. Campinas: UNICAMP, 1990.

MILES, Robert. Racism after “race relations”. London: Routledge, 1993.

MONSMA, Karl Martin. Racialização, racismo e mudança: um ensaio teórico, com exemplos do pós-abolição paulista. In: XXVII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 2013, Natal. Anais eletrônicos [..]. Natal, 2013. Disponível em: http://snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364748564_ARQUIVO_Monsmatrabalho.pdf . Acesso em: 15 jan. 2014.

______. Como pensar o racismo: o paradigma colonial e a abordagem da sociologia histórica. Revista Ciências Sociais, Fortaleza, v. 48, n. 2, p. 53-82, 2017.

OLIVEIRA, Acary de Passos. Roncador-Xingu: roteiro de uma expedição. s. ed. Goiânia, 1976.

OLIVEIRA, João. Muita terra pra pouco índio? Uma introdução (crítica) ao indigenismo e à atualização do preconceito. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília: MEC, 1995, p. 61-81.

RAVAGNANI, Oswaldo M. A experiência Xavante com o mundo dos brancos. Araraquara: UNESP, 1991.

RIBEIRO, Iselda. Corrêa. Pioneiros Gaúchos: a colonização do norte mato-grossense. Santa Maria: Tchê!, 1987.

RICARDO, Cassiano. Marcha para Oeste: a influência da bandeira na formação social de política do Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1942, vol. 1.

ROCHA, Betty Nogueira. “Em qualquer chão: sempre gaúcho!”: a multiterritorialidade do migrante “Gaúcho” no Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica, 2006.

SCHAEFER, José Renato. As migrações rurais e implicações pastoris: um estudo das migrações campo-campo do sul do país em direção ao norte de Mato Grosso. São Paulo: Loyola, 1985.

SELUCHINESK, Rosane Duarte Rosa. De heróis a vilões: imagem e auto-imagem dos colonos da Amazônia mato-grossense. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) - Universidade de Brasília. Brasília, 2008.

SEYFERTH, Giralda. Os imigrantes e a campanha de nacionalização do Estado Novo. In: PANDOLFI, Dulce Chaves (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: editora FGV, 1999, p. 199-228.

______. Identidade camponesa e identidade étnica (um estudo de caso). Anuário Antropológico, v. 91, p. 31-63, 1991.

SILVA, Aracy Lopes da. Dois séculos e meio de história Xavante: In: CUNHA, Manuela Carneiro da. (Org.) História dos índios no Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 357-378.

TAVARES DOS SANTOS, José Vicente dos. Matuchos: exclusão e luta – do sul do país para a Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1993.

VARGAS, Getúlio. A nova política do Brasil: V. O Estado Novo (10 de dezembro de 1937 a 25 de julho de 1938). Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.

VARJÃO, Valdon. Aragarças: portal da Marcha para o Oeste. Brasília: Senado Federal, 1989.

WOORTMANN, Klaus. A. Breve contribuição pessoal: discussão sobre a formação de antropólogos. Série Antropologia. n. 182, Brasília, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v13i1.1021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.