Testamento Vaginal Deixado Por Lilith: Corpo, Performance & História A Partir Da Obra Feminista De Carolee Schneemann

Robson Pereira da Silva, Aguinaldo Rodrigues Gomes

Resumo


O presente artigo objetiva compreender o processo de ressignificação das representações das imagens das mulheres pelo paradigma da performance que, de certa maneira, questionam o continuum de uma tradição de imagéticas femininas na história da arte. Assim, a ambiência contextual e sensível da segunda metade do século XX, sobretudo a partir da década de 1960, viabilizou a percepção do corpo como objeto de arte em seu “desenvolvimento de qualidades expressivas” (CARLSON, 2010, p. 115). Essa perspectiva será analisada por meio de performances artísticas, como Interior scroll [Pergaminho interior, 1975], da performer feminista Carolee Schneemann, pela qual é possível perceber as alterações que esse novo paradigma, a performance, oportunizou na história da arte – a hibridação de mídias, suportes e linguagens referentes à prática artística, em um processo de intersecção do corpo como produtor de visualidades, em que se pode consubstancialmente investigar uma “partilha do sensível” que infere no próprio campo da arte, dialogicamente interligando estética e política, visando, nesse caso, investigar a relação entre as corporeidades da mulher e as mídias, a tecnologia e as tendências comunicacionais e suas respectivas opressões. Outrossim, compreendemos os trabalhos de Schneemann como um ato de dessacralização do feminino sob as lentes e sonoridades produzidas com e pelo corpo, sendo ele suporte e meio. Suas performances são como um ato de quebra dos valores convencionais das relações entre arte e sociedade, sobretudo na própria história da arte e do feminismo naquele contexto contracultural, na medida em que, a partir de seu flerte com o grotesco, inverte a dialética de objetificação do corpo feminino inerente ao olhar masculino ao longo da história ocidental.


Texto completo:

PDF

Referências


BERGER, John. Modos de ver: arte e comunicação. Rio de Janeiro: Rocco, 1999, p. 48.

CHICANGANA-BAYONA, Yobenj Aucardo; GONZÁLEZ SAWCZUK, Susana Inés. Bruxas e índias filhas de Saturno: arte, bruxaria e canibalismo. Revista Estudos Feministas, v. 17, n. 2, 2009, p. 512.

BORGES, Maria Eliza Linhares. Imagens do Brasil do século XVII: um estudo sobre o Atlas de Albernas. Anos 90, v. 7, n. 11, 1999, p. 54-72.

CLARK, Stuart. Pensando com demônios: a ideia de bruxaria no princípio da Europa moderna. São Paulo: Edusp, 2006, p. 40.

PAIVA, Vera. Evas, Marias, Liliths... – as voltas do feminino. São Paulo: Brasiliense, 1989, p. 61.

COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antônio (Org.). Dicionário crítico de gênero. Dourados-MS: Ed. UFGD, 2015, p. 403.

MASON, A. The book of Mephisto: a left hand path grimoire of the faustian tradition. Edition Roter Drache, 2006, p. 56.

LARAIA, Roque de Barros. Jardim do Éden revisitado. Rev. Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 1, 1997, p. 159.

MYLES, Alex. September’s Black Moon: The Rare, Powerful, Feminine Goddess Lilith. Elephant Journal. 29 de setembro de 2016. Disponível em: https://www.elephantjournal.com/2016/09/septembers-black-moon-the-rare-powerful-feminine-goddess-lilith/ Acesso em: 04 de abril de 2020.

JAGGAR, M. Alison; BORDO, Susan R. Gênero, Corpo, Conhecimento. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997, p. 11.

REDE, Marcelo. Estudos de cultura material: uma vertente francesa. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, v. 8, n. 1, jan. 2001, p. 283.

GLUSBERG, Jorge. A arte da performance. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011, p. 51.

ALMEIDA, Dulce Filgueira de; WIGGERS, Ingrid Dittrich; JUBE, Carolina Nascimento. Do corpo produtivo ao corpo rascunho: aproximações conceituais a partir de relações entre corpo e tecnologia. Soc. estado, Brasília, v. 29, n. 3, dez. 2014, p. 965.

JAGGAR, M. Alison; BORDO, Susan R. Gênero, corpo, conhecimento. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997, p. 10-11.

PAVIS, Patrice. Dicionário da performance e do teatro contemporâneo. São Paulo: Perspectiva, 2017, p. 225.

DALLERY, A. B. (1997). A política da escrita do corpo: écriture féminine. In: JAGGAR, M. Alison; BORDO, Susan R. Gênero, corpo, conhecimento. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997, p. 10-11.

CAPELOZI, Lays; COSTA, Grace Campos. Qual o limite do desejo feminino? Uma análise sobre o filme Romance X (1999). In: SANTOS, Martha; MENEZES, Marcos Antonio; SILVA, Robson Pereira da. História e Outras Eróticas. Curitiba:2020, p.103.

KOEBEL, Caroline. “Do Perigo à Ascendência: Notas Relativas a Carolee Schneemann”. eRevista Performatus, Inhumas, ano 2, n. 9, mar. 2014, p. 04.

SCHNEEMANN, Carolee. Interior Scroll. Performatus, Inhumas, ano 2, n. 8, jan. 2014, p. 06.

LEE, Pamela. Bare Lives. in: LEIGHTON, Tanya; ESCHE, Charles. Art and the moving image: a critical reader. Londres: Tate Publishing, 2008, p. 146.

MATESCO, Viviane. Olhando Interior scroll. Performatus, Inhumas, ano 2, n. 8, jan. 2014, p. 4.

KOEBEL, Caroline. Do perigo à ascendência: notas relativas a Carolee Schneemann. eRevista Performatus, Inhumas, ano 2, n. 9, mar. 2014, p. 09.




DOI: http://dx.doi.org/10.22228/rt-f.v13i1.1020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista T&F está indexada nos seguintes serviços: Portal de Periódico da CAPES, EBSCO, BASE, Sumário de Revistas Brasileiras; Latindex, LivRe!, Google Acadêmico, Dialnet, DOAJ.

Periódico avaliado como B1 no WebQualis 2015 da CAPES na área de História; B2 nas áreas de Letras/Linguística, Ciências Sociais Aplicadas e Ciências Ambientais.

ISSN 1984-9036

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.