A crise imperial e a perspectiva republicana: alguns fatores que determinaram o fim do Império

Silmara Dencati Santa Rosa

Resumo


Busco neste artigo mostrar os principais motivos e os fatores determinantes que culminaram com a crise imperial, irrompendo com o fim do regime monárquico. Analisando a criação do partido republicano, a influência e o trabalho da geração de 1870 e as perspectivas políticas com a implantação do regime republicano.


Palavras-chave


Proclamação da República. Prática Política. Partido Republicano.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Ângela. Apropriação de ideias no Segundo Reinado. In: O Brasil Imperial, volume III: 1870-1889/ organização Keila Grinberg e Ricardo Salles. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

ALONSO, Ângela. Ideias em movimento – A geração 1870 na crise do Brasil – Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ASSIS, Machado. Esaú e Jacó. São Paulo: Editora Globo, 1997.

BACKES, Ana Luiza. Notas sobre a República, oligarquias e utopias. Cadernos ASLEGIS | 37 • maio/agosto • 2009, p. 16. Consultado em 04/12/2013. Disponível em: .

BOURDIEU, Pierre. Da regra ás estratégias. IN: Coisas Ditas./ Pierre Bourdieu. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 13º Ed. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2010.

CARVALHO, José Murilo de. A Formação das Almas. O Imaginário da República no Brasil. São Paulo: companhia das Letras, 1990.

CARVALHO, José Murilo. Euclides da Cunha e o Exército. Revista Brasileira da Academia Brasileira de Letras, prosa 3, s/d, p 143.

Link:< http://www.academia.org.br/abl/media/REVISTA%20BRASILEIRA%2063-prosa-03.pdf >.

CARVALHO, José Murilo de. Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

CARVALHO, José Murilo de. República, democracia e federalismo Brasil, 1870-1891. Revista Varia hist. vol.27, no.45. Belo Horizonte: Jan./Jun, 2011.

CORRÊA, Valmir Batista. Coronéis e Bandidos em Mato Grosso: 1889 – 1943. 2°ed. Campo Grande: Editora da UFMS, 2006.

COSTA, Lidiana Justo da. GUARDA NACIONAL NA PARAHYBA: vigiando e punindo em nome da ordem (1831-1850) .UEMA: Universidade Estadual do Maranhão, II Simpósio de História do Maranhão Oitocentista. Disponível em:< http://www.outrostempos.uema.br/anais/pdf/costa3.pdf >. Consultado em 26/12/2013.

FERNANDES, Maria Fernanda Lombardi. Os republicanos e a abolição. Revista de Sociologia, n. 27. Curitiba, 2006.

GOMES, Ângela de Castro. História, historiografia e cultura política no Brasil: algumas reflexões. In: Culturas políticas: ensaios de história cultural, história política e ensino de história/organizadoras Rachel Soihet, Maria Fernanda Bicalho e Maria de Fátima Gouvêa. Rio de Janeiro: Mauad, 2005.

JURT, Joseph. O Brasil: Um Estado-Nação a ser construído. O papel dos símbolos nacionais, do Império à República. Revista Mana, vol.18, no.3. Rio de Janeiro, Dec. 2012. Consultado em 20/12/2013. Disponível em: .

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1975.

LEMOS, Renato. A justiça militar e a implantação da ordem republicana no Brasil. Revista Topoi, volume 13, n 24, jan – jun de 2012, p 60-72. Consultado em 02 de junho de 2013, p. 70.

Disponível em: .

MANIFESTO REPUBLICANO. IN: Cadernos ASLEGIS | 37 • maio/agosto • 2009. Consultado em 26 /12/2013, p 47. Disponível em: .

MELLO, Maria Tereza Chaves de. A República Consentida. Editora FGV, 2007.

NEVES, Margarida de Souza. Os cenários da República. O Brasil na virada do século XIX para o século XX. IN: O Brasil Republicano – O tempo do liberalismo excludente: da Proclamação da República a Revolução de 1930/organização: Ferreira, Jorge; Delgado, Lucília de Almeida Neves. – 3° edição – Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

PORTELA, Lauro Virginio de Souza. Uma República de muitos coronéis e poucos eleitores: coronelismo e poder local em Mato Grosso (1889-1930). 2009. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação Mestrado em História, Instituto de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

RESENDE. Maria Efigênia Lage de. O processo político na Primeira Republica e o liberalismo oligárquico. In: O Brasil Republicano. O tempo de liberalismo excludente – da Proclamação da Republica a Revolução de 19930/ organização de Jorge Ferreira e Lucília de Almeida Neves Delgado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

RIBEIRO JUNIOR, José. O Brasil monárquico em face das Repúblicas Americanas. In: Mota, Carlos Guilherme. O Brasil em perspectiva. São Paulo: DIFEL, 1984.

SALLES, Iraci Galvão. A ordem como condição da civilização: O Partido Republicano Paulista (1870-1889). Dissertação de Mestrado: Trabalho, Progresso e a Sociedade Civilizada (O Partido Republicano Paulista e a Política de Mão-de-obra — 1870-1889). São Paulo, FFLCH-USP, 1980.

SCHULZ, John. O exército e o Império. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (org.). História geral da Civilização brasileira. São Paulo: Difel, 1971, t.2, v. 4.

SOUZA, Maria do Carmo Campello de. O Processo Político-Partidário na Primeira República. In: Mota, Carlos Guilherme. O Brasil em perspectiva. São Paulo: DIFEL, 1984.

VIOTTI da COSTA, Emília. Da Monarquia à República: momentos decisivos/Emília Viotti da Costa. – 6. Ed. – São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. Federalismo e cidadania na imprensa republicana (1870-1889), 2011. Consultado em 14 de julho de 2013, não paginado. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-77042012000100007〈=pt>.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

 

 ISSN: 2318-5503